• Frase da Semana :
  • -
  • Ao final, não esperem uma verdade absoluta, pois terei que infelizmente lhes informar que não há. - Amanda Lemos -

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Uma verdade absoluta: Não há verdade absoluta !



Admito,
 já me perguntaram uma vez a diferença entre amizade e amor, ou melhor, se havia diferença entre ambos.
Não soube responder.
 Por vezes, há pessoas que pensam que escritores ( ou melhor dizendo, “amadoras escritoras leigas”, como eu ) sabem todas as respostas, que escrevem na intenção de promulgar uma verdade absoluta. 

Doce ilusão.

Confesso mais uma vez a vocês, que na maioria das vezes, as palavras eufóricas que caminham por entre essas linhas  se quer me dão a chance de colocá-las em prática.
Como um sermão moral bem dito, mas carente de efetivas ações.

Minha idade é pouca, experiência nem  o diga. Meu cabelo não é o mais bonito, tenho a incansável mania impaciente de roer unhas, não sou a mais inteligente ou se quer a mais simpática da turma, detesto holofotes caretas , preciso de ar puro, embora não consiga viver sem poluição.
Adoro gente, mas preciso , diversas vezes, ficar só,.
Minha mente me tortura e quiçá confunde-me, passo charme de menina- moça intelectual, mas vocês não fazem idéia das criancices que me passam pela cabeça.
Gosto do cheiro do livro, de passar as páginas entre os dedos, no entanto, tenho uma necessidade excruciante de ligar o computador ao menos para ouvir o barulho de uma máquina que funciona neste mundo são.

E ainda acham que estou em pleno direito ou capacidade “psico-mentais”, ou dirá físicas, para promulgar uma verdade absoluta ?

Acho até que “absoluta” seja um termo hoje ultrapassado e sem direito a sentido , tendo em vista,o mundo em que vivemos que a definição de impossível é pouco, e que hoje até distinguir entre hétero ou homossexual já lhe dá o direito de uma opinião própria.
 O absolutismo, neste sentindo, me intriga, me remexe os neurônios, deste cérebro, confesso, cansado demais de tanto trabalhar em meios e nunca consumar-se em fins.

Mais um ponto que ressalto, e que devo é claro me desculpar, seria novamente que minha ausência por aqui se fez , há de se admitir.
Aceitem minhas desculpas e motivos pouco argumentativos, mas verdadeiros.
Peço que imagem o quão difícil se trata , de neste momento, restar tempo para dedicar-me aos escritos e estabelecer uma pacífica relação com essa jovem tola inspiração que nunca possui data de chegada.

Os estudos, tomaram mérito de consumir todas as 26 horas do meu dia, sim, digo 26, baseando-se no fato das diversas madrugadas que me vi obrigada a dormir, ou melhor, cochilar, as duas da madrugada para poucas cinco horas de sono e novamente repetir as noites e madrugadas varadas de energéticos e livros.


Respeitem as euforias desta pobre adolescente, que ainda está se acostumando com o fato de abrir mão de prazeres singelos em troca de uma compensação maior em um futuro próximo, digo, em prol das provas destes vestibulares.

Para adiantar-lhes um pouco desta agenda agitada, conto-lhes  para terem uma idéia da confusão que em minha mente se forma, ...;
Farei prova em Uberaba dia 20/11, logo depois, prova em minha cidade, Montes Claros, dia 27/11. 
Minha crisma, da qual andei me preparando ao longo de todo este ano, será no dia 02/12, sendo que ao final desta terei que submeter-me a viajar pela madrugada para cumprir os horários das provas, pela manhã, dias 03/12 e 04/12, em Belo Horizonte-MG, referente ao vestibular seriado da UFV, Universidade Federal de Viçosa, e ao final, nos dias 11/12, 12/12, e 13/12 provas em Juiz de fora.
Sem contar é claro, nas provas e trabalhos do colegial.

Não nego que o cansaço me limita, e me faz requerer um esforço sobrenatural para dar conta de tudo, ou melhor, tentar não perder o controle.
No entanto, não mudaria nada. Nem se quer uma palha ou fagulha.
Não diminuiria os dias de provas, nem sequer os conteúdos pragmáticos destas.


Seria muito fácil optar pelo fácil, é claro.
Me pouparia esforço, e quem dirá dinheiro (educação de qualidade custa caro! Não neguem. Ainda mais quando nem mesmo os elevadíssimos impostos que nos sujeitamos a pagar servem para melhorar a infra -estrutura das escolas públicas, o que deveria ser de direito e dever.)

Seria muito fácil chutar o balde e não apontar o lápis para os milhares de exercícios que nos aguardam nestas diversas provas que faremos.
Seria mais fácil, adiar a preocupação, para só começarmos a nos preocupar de fato com o vestibular tradicional ao final do ensino médio, e aproveitarmos esses primórdios para entrarmos “de cabeça” em bebedeiras do colegial, e baladas com direito a sexo e entrada franca em orgias.
Seria mais fácil nos acharmos no direito de jogarmos fora o investimentos de longos anos dos pais e nos dizermos auto suficientes, embora, em tudo que façamos dependamos da boa vontade de nossos responsáveis e provedores.
Seria mais fácil inclusive, em passar sermões de quem pouco estuda e se acha no direito de criticar defeitos dos outros, embora, os seus não possam se quer serem medidos.

Lembro-lhes no entanto, que se fosse fácil assim, não haveria motivo de existir, afinal de contas, o que REALMENTE vale a pena e o esforço não vem fácil, 
Não mesmo.
Nossas relações pessoais são prova clara disso.


A concorrência para estes diversos vestibulares que batalhamos para sermos os primeiros e conseguirmos vagas em faculdades , não há de se negar, é elevada.
Mas não me espanta que seja, 
Lhes pergunto : O que  realmente, me desculpem o "linguajar", presta, possui vaga sobrando ? Ou espaço de mais ?
Não mesmo.;
Me digam se alguma faculdade de nome e história teria algum dia 300 vagas para 50 candidatos ? 
Doce sonho.


A concorrência exige competência, e vice versa.


Todavia, não esperem que quando decidirem de fato abrir os olhos para a vida que corre afora, as portas do paraíso estarão  abertas, esperando algum sinal de vida.
Ou se preferirem esperar, que seja  então, sentados.

Se sujeitem a deixar de últimas o que era para ser feito nem mesmo hoje, mas ontem.
As relações e informação de hoje são dadas em tão meros segundos que tudo que fazemos já está atrasado e ultrapassado.
O que é para ser feito, já era para ter dado resultado anteontem. 

Se sujeitem a se acharem bons e quiçá melhores, e a repetirem o mesmo erro estúpido de antes, e verão que a vida lhes dará uma magnífica rasteira.
Verá que as cadeiras da escola não serviram de nada, ao menos, você não soube abstrair o essencial.
Verá que você de primeiro se tornou o último, e que um belo concorrente já lhe passou a frente, e que em último caso, você se verá um profissional, isso é claro, se ao menos conseguir se tornar um de fato..; será um profissional “enxuto” e pobre, digo pobre no sentido de espírito.
Incapaz de realizar, sem experiência e sem mérito.
Verá que quando teve oportunidade de fazê-lo, não fez.
E verá que não  é possível lhe devolver o tempo perdido em vão.

Ao final, não esperem uma verdade absoluta, pois terei que infelizmente lhes informar que não há.

Pois é. 
Não há.

Então, sugiro que retirem os cavalinhos da chuva que estes já devem estar ensopados e resfriados, e encarem a dificuldade enquanto ainda é tempo, para não se arrependerem de, no início, não terem feito o que deveriam fazer.



Texto de Amanda Lemos





10 comentários:

Artes e escritas disse...

A busca pela identidade começa pela escolha do desenho das sobrancelhas, depois é crescer com elas aparando as dificuldades, colorindo de esperança a vida e fazer as escolhas. Um abraço, Yayá.

Simone MartinS2 disse...

Oh!! Estou de queixo caido, qual a tua idade? Menina voce me deixou sem folego, mas quis ler ate o fim...incrivel, voce realmente deve ser louca, pois isso explicaria um texto tao maravilhoso...nao sou e nem preciso puxar o saco, mas adorei!!
Divulgue-o em outras redes como face, twitter, et., é demais acredite! Bjin e continue se achando nada, pois desse jeito, tudo que tu escreves vira muito!

Iara Moura disse...

Muito bom o post .. apesar de na verdade os 'escritores' passarem uma ideia plena de certeza e seguranca, eu digo com toda a certeza o contrario. A nossa sensibilidade nos tras indecisao, e a nossa indecisao escapa atraves das palavras. Engracado falar de vestibular, meu ultimo post comenta sobre profissoes, e escrevi pensando no vestibular que prestei, e como ate hoje nao me decidi. Quer fazer qual curso? Beijos. Um otimo final de semana. (Me desculpe pelos erros, o teclado esta sem acentos)

LuanaGuimarães disse...

e encarem a dificuldade enquanto ainda é tempo, para não se arrependerem de, no início, não terem feito o que deveriam fazer.'

aaaaaaaaaaamei essa parte !!!!!!!!!!


;*

territoriodascompradorasdelivro disse...

Oii, primeira visitinha por aqui o/
Adorei seu blog! Muito fofo...
Estarei comentando seus post!
E seguindo, me segue também!
Bjss *-*
http://territoriodascompradorasdelivro.blogspot.com/

bellarg disse...

Seguindo flor *-*
Segui tambem ?
http://cantinhofeminino-bellarg.blogspot.com

Lêeh Venerando disse...

Seguindo lindaaa
http://umquepebranco.blogspot.com

laurinhando por ai disse...

Cabeça boa, menina!!!
Parabéns e bom vestibular...Em tempo , para que vc irá prestar???Tenho um filho, tb blogueiro, que irá prestar para medicina...está tenso!!!
bjinhos
Laurinha

Arlene Oliveira disse...

Oii! Retribuindo visitinha e aproveitando pra falar que vou passar por aqui sempre! Gostei muito das suas palavras, consegui sentir cada uma! E vc só tem 15 anos? Parabéns!

A. Fátima Fuini disse...

Parabéns pelos textos, Amanda. Bjs,
Fátima

Nosso Livro Publicado !

Talvez também se interesse por.....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
















Aqui não se conta tudo, porque o tudo é um oco, é um nada. Se conta somente, e o somente não necessita de explicação.

Amanda Lemos