• Frase da Semana :
  • -
  • Ao final, não esperem uma verdade absoluta, pois terei que infelizmente lhes informar que não há. - Amanda Lemos -

sexta-feira, 1 de abril de 2011

A infância,




Tenho saudade dela. De quando as paredes do quarto eram cor azul marinho, 
De quando o guarda roupa era arrumado pela minha mãe, modéstia parte muito bem, diga-se de passagem, as roupas pela qual vestia eram escolhidas por ela também, e os sapatos na época eram engraxados em casa mesmo.

De quando o horário de ir para cama era pré- determinado e não havia ato rebelde que o reprimisse, 22:00 no máximo, isso nos fins de semana, claro.

Saudade de quando acordava às sete da manhã de um domingo, pegava as cobertas da cama, e corria para ver os desenhos na parabólica nova que meu pai comprara. 

De quando “refri”, sempre coca- cola, como de costume, era coisa rara, isso para não sair da dieta. Só nos fins de semana, especialmente nos domingos, quando íamos almoçar na casa de minha avó, feijoada nesse tempo era clichê piegas.


Saudade de quando conversas forjadas virtualmente pela internet não chegavam nem perto de substituir as tardes de brincadeiras incansáveis, afinal, computador nem sequer existia em nosso vocabulário.

Saudade de quando nas raras vezes meu pai comprara os potes de sorvete , geralmente nas férias, quando meus primos de Curvelo vinham com mais freqüência para cá, e corríamos para o antigo salão de festas no segundo andar da casa, que passara a ser agora utilizado como refúgio de brinquedos e nosso humilde “parque de diversões” onde também deliciávamos o pote inteiro, que variava de napolitano com chiclete, ou puramente chocolate com creme.

Saudade de quando andar de bicicleta demorava para ser aprendido, mas deste tal já se tornava regra obrigatória para todo final de semana, e não nos cansávamos.
Confesso, joelhos ralados ou roupas sujas de terra não ‘doíam” tanto como decepções, corações partidos e ilusões atuais. 

Saudade de quando ler era aventura completa, quando se tratava de heróis e princesas, cavaleiros e suas espadas. Admito. Na época tinha louca admiração e fanatismo por Rei Arthur com sua espada de Excalibur tirada da pedra e dada pela Dama do Lago.

Saudade de quando levávamos Bob, nosso cachorro, para passear, e quando as brincadeiras de polícia e ladrão substituíam as brigas de irmãs de hoje.

Eu tenho saudade de tudo que é puro, e ficou eternizado. 

Nossa infância marca, e jamais pode se dar ao direito de ser esquecida tampouco desprezada. 
É única, excepcional, exclusiva e sem outra definição menos merecedora.

Eu me recordo muito bem desses tempos, desde os divertimentos até os dolorosos “puxões de orelha” do meu pai . 
Um tempo em que APROVEITAR era princípio básico de sobrevivência da espécie, e que não havia muita importância em seguir regras ou padrões de sociedade já impostos, pois estávamos bons e felizes como estávamos. 

Saudade de quando o “ser” era mais importante que o “ter”, 
De quando os amigos se contavam nos dedos, 
De quando lágrimas eram verdadeiras e não apenas borravam maquiagens. Saudade tranqüila mas um pouco dolorosa, pungente.

Saudade sim.

Saudade que lhe diz: “Olha, não faça-me apenas uma mera boa lembrança. Me faça um marco. Um fato. Uma história que você, jovem adolescente louca, é e foi o sujeito principal. 
Não me faça substantivo, mas um verbo intransitivo. 
Não me esqueça, mas eternize-me.”

Tal como ela é, e sem mais delongas, infância é infância e não há como negar.


Texto de Amanda Lemos

26 comentários:

☆Anjo☆ disse...

Amanda, como é bom recordar a infância, assim como tudo aquilo que passa e deixa saudade! Belo texto!
Mas às vezes as recordações não são boas, infelizmente!
Adoro seus textos, um ótimo início de fim de semana pra ti!!! Beijinhos, bye bye

Mariane Magno disse...

muito boom o texto adorei..
ôoh saudades da minha infância, da minha inocência, de achar que todo mundo é legal *-*
parabéens,
P.S: http://complexospensamentos.blogspot.com/

Bere Cibiac e Alcione disse...

Lindo blog, Amanda! Voce escreve facil, inteligente e delicioso de se ler. Sobre a infancia acho que mesmo quando chegarmos na casa dos 80, 90 a infancia será o melhor tempo a se lembrar, brigadinha por visitar meu blog, bjs Bere

Amanda Lemos disse...

Muito Obrigada à todas pelos elogios, e pela visita propriamente dita, :)
Fiquei muito feliz !

É verdade, infância é um marco, porém pode trazer tanto lembranças boas tanto ruins. Mas nem por isso deixa de ser única, eterna.

André Miranda disse...

Oi, visitei seu blog e gostei muito
dos seus textos.
Se quiser conhecer meu blog.
http://escritosimorais.blogspot.com

beijo.

Gabriela Souza Alves disse...

... e sem mais delongas, infância é infância e não há como negar.
Adorei o texto Amanda, parabéns.
Beijinhos Querida :)

Anna disse...

retribuindo a visita ;)
mto bom seu blog, parabéns!!!
Bjus

Fabi disse...

se eu te contasse todas as saudades das peripecias da infancia... eu ficaria rouca.
sucesso

http://euprecisovivereaprender.blogspot.com/

Aline Diedrich disse...

Nada como relembrar a infância né? Sempre lembramos dela com saudade!

Raphael Chespkassoff Sanchez Vão disse...

O CANIL FLOATING STARS está com filhotes disponíveis para reserva.
São filhos de Pais Campeões Brasileiros, Panamericanos e Gd. Campeões Brasileiros.
Filhotes próprios para Exposição de Beleza, dentro dos padrões exigidos pela CBKC/FCI.
Todos os filhotes são entregues vacinados, vermifugados e com Pedigree CBKC.
Visite o Blog/Site e confira nossos exemplares...
http://floatingstarskennel.blogspot.com
Email: floating.stars@uol.com.br
MSN: floating.stars@hotmail.com
Fones: (48) 3369.3770 / 9155.5005
Obrigado pela visita.
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=as&uid=17523130019225878462
Encomende já o seu filhote.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Texto sensível e nostálgico, Amanda. Muito bonito.
Obrigado pela visita.
Apareça sempre.

www.ofalcaomaltes.blogspot.com

Hatinha disse...

infância é infância e não há como negar...
Sabe minha mãe dizia que um dia e eu pedir para não crescer e não acreditava, era louca para virar gente grande, poder fazer isso, aquilo, a verdade é que ela estava certa gosto de ser grande mas sinto tanta falta de minha infancia que nem sei, as brincadeiras com os vizinhos e primos, a gnt podia brincar na rua sem medo e hoje aquela menina que pedia para crescer pede para que as coisas voltem a ser mais simples, mas sabe que isso é praticamente impossível, a simplicidade dos tempos atrás não voltam mais...

bjuu

Yasa disse...

Que blog lindo, Amanda. E que texto gostoso... Serviu pra trazer a essa segunda feira corrida, um pouco de deliciosa nostalgia... Eu tenhao ainda a síndrome de Peter Pan, porque a minha infância foi ímpar. E quanta, quantaaaa saudade desses dias mágicos.

Parabéns, pelo texto e pelo lindo espaço virtual.

Abraços.

Cíntia' disse...

'Saudade de quando acordava às sete da manhã de um domingo, pegava as cobertas da cama, e corria para ver os desenhos na parabólica nova que meu pai comprara.'

Nossa, que vontade de voltar a ter 6 anos!

Paula Teles disse...

Adorei seus textos! tudo muito encantador por aqui. Beijos to seguindo já *--*

http://paulabernardino.blogspot.com

-A disse...

oi '
adorei seu blog
se puder segue o meu ai '
moveyoou.blogspot.com
Beijos ' ( :

Big clash disse...

Oi Amanda,
passei para retribuir sua visita ao Fuxucamarimbondo Rock 'n' Geral.
Seu blog tá bem bacana, recordar a infância é sempre uma viagem legal.
Tendo um tempo visite outro blog que mantenho na rede com dois amigos:
http://daquidepitangui.blogspot.com/

Abração.

Roberta disse...

Olá Amanda!
Gostei das postagens e do seu blog! Parabéns!
Gostaria de convidála a visitar o Mundo dos Eus e a escolher um artigo paa comentar, ok!
www.omundodoseus.blogspot.com

Abraço e boa semana!
Roberta

. disse...

Adorei o seu blog Amanda !
Estou seguindo.

Deixo aqui o meu caso queira dar uma olhada , seguir..;

http://dailyanny.blogspot.com/

Muito obrigada, desde já.

Joseph™ disse...

Interresante seu blog
visite o meu
www.clickeacesse.co.cc

Eric Bustamante disse...

Todos nós sentimos falta da infância e suas purezas, mas... Quer saber? Vou te contar um segredo: Ela está aí ó! Dentro de você! Basta querer que boa parte dela volta. Basta querer... Sabe o que é engraçado? Quase não há quem queira... Belo texto menina.

Cleidiane disse...

Oi, Amanda!
Amei seus poemas!
Concordo com esse texto, também tenho saudades da minha infância, do tempo do "ser" e não do "ter".

Bjss!!!

Marcos Fernando disse...

Oi, blog legal ! Eu me incluí como seu amigo no google friend connect, depois retribui lá no meu, ok?

http://umaverdadeconveniente.blogspot.com

Abraços !

Fernanda Avenia, disse...

Acabo de ficar encantada, é quase com lágrimas nos olhos que escrevo esse comentário. Sempre acredite que quando vemos textos tão bem escritos e que nos tocam a alma, não podemos deixar de dizer isso para a autora. E aqui estou Amanda, para dizer que em poucos minutos você conseguiu fazer eu reviver toda a minha infância, me lembrou dos valores, do como a vida era tão simples e tão boa. Afinal nunca precisamos de muito para sermos felizes.
Lindo, Lindo. Parabéns.

Renata de Aragão Lopes disse...

Saudade que jamais passará...

Cristiane Melo disse...

oi amanda! seu blog é mto bom! tem de tuudo! adorei suas frases!! :D
beijos de luz

Nosso Livro Publicado !

Talvez também se interesse por.....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
















Aqui não se conta tudo, porque o tudo é um oco, é um nada. Se conta somente, e o somente não necessita de explicação.

Amanda Lemos